Warning: "continue" targeting switch is equivalent to "break". Did you mean to use "continue 2"? in /var/www/html/qualityfit.com.br/web/wp-content/plugins/essential-grid/includes/item-skin.class.php on line 1041
maio 2016 – Qfit
  • (11) 2574-5273

maio 2016

Qfit > 2016 > maio
25 maio

Intestino – O nosso segundo cérebro

by Diego Gomes |maio 25, 2016 |0 | Blog

Viviane Battistella – 4 de maio de 2016

Psicóloga, psicoterapeuta e especialista em comportamento humano. Escritora. Apaixonada por gente. Amante da música e da literatura.

Recebi alguns pedidos para escrever sobre transtornos alimentares e decidi começar informando sobre esse importante órgão do nosso sistema digestivo – o intestino.

Responsável pelo nosso bem estar, a serotonina talvez seja o neurotransmissor mais famoso do nosso organismo. O que pouca gente sabe é que a maior parte dela é produzida pelo intestino, que é o nosso segundo cérebro. Nós temos dois cérebros, um na cabeça e outro escondido em nossas entranhas. Os neurocientistas descobriram que o intestino também é capaz de se lembrar, ficar nervoso e dominar o seu nobre colega – o cérebro.

As células nervosas existentes no intestino não controlam apenas a digestão dos alimentos, elas são responsáveis por sensações comuns e que são sentidas diretamente nesse nosso órgão. Vejam alguns exemplos: Ao recebermos uma boa notícia ou, ao nos depararmos com a pessoa amada, um formigamento agradável nos invade – o famoso frio na barriga.  Por outro lado, as situações de tensão, medo ou angústia nos corroem por dentro. A repulsa em direção a algo ou alguém pode produzir náuseas e até mesmo provocar o vômito. Estas sensações têm explicação na ciência. Nosso intestino possui altíssima concentração de células nervosas, quase exatamente como a estrutura do cérebro. Ambos produzem substâncias psicoativas que afetam o humor, como os neurotransmissores serotonina e dopamina e vários opióides que modulam a dor.

O nosso cérebro abdominal têm dois objetivos principais:

– Supervisionar o processo de digestão, promovendo o peristaltismo e a secreção dos sucos digestivos para digerir os alimentos, absorção e transporte de nutrientes e eliminação de resíduos.
– Apoiar o sistema imunológico na defesa do organismo.

O intestino libera substâncias químicas como a serotonina, por exemplo, em resposta à nutrição e digestão saudável. Quando comemos bem, com variedade e com uma contribuição proporcional de todos os nutrientes e se temos um almoço saudável (sem pressa, mastigando bem e sem distração) nosso sistema digestivo nos responde e nos agradece com uma sensação de bem-estar, dando-nos um bom suprimento de energia, vitalidade e otimismo. Por outro lado, se por algum motivo a digestão e/ou trânsito intestinal é lento e incompleto estamos acumulando resíduos, o que pode causar uma sobrecarga tóxica ou autointoxicação. Percebam que muitas vezes o bem, ou mal estar emocional pode estar intimamente ligado à qualidade da nossa alimentação. Já existem estudos que mostram que, o jejum superior a seis horas pode desenvolver quadros depressivos causados exatamente pela interrupção do funcionamento adequado do nosso sistema gastrointestinal.

São muito comuns os casos de diarreia e constipação que estão ligados a fatores emocionais. A Síndrome do Intestino Irritável, por exemplo, é uma doença crônica que afeta o intestino grosso, cuja causa ainda é desconhecida e tem sido tratada com Terapia Cognitivo Comportamental associada ao tratamento médico. Os sintomas são cólicas, gases associados à diarreia ou constipação. O quadro está intimamente ligado ao estresse e/ou à ansiedade.

Ao digerir os alimentos e as emoções, nosso intestino e nosso cérebro estão exercendo funções correlacionadas. Ansiedade e diarreia podem estar intimamente ligadas. Quem nunca teve uma dor de barriga diante de um evento amedrontador? Contrário a isso, a constipação parece estar sempre ligada aos indivíduos depressivos, que travam o extravasamento das suas emoções. Ao cuidar bem desse órgão tão representativo em nosso corpo, estamos garantindo u fluxo necessário para o bem estar. Ao perceber alguns dos sintomas descritos, procure imediatamente um gastroenterologista e passe a cuidar melhor do seu segundo cérebro. Além disso, facilite o bom funcionamento dele lapidando a forma de lidar com as suas emoções, para isso, nós, psicoterapeutas somos indicados.

fonte: osegredo.com.br

13 maio

Motivos para comer chocolate sempre

by Diego Gomes |maio 13, 2016 |0 | Blog

Com calma e moderação, é claro

Especialistas em nutrição da Universidade da Austrália do Sul, concluíram: quem come chocolate que contém acima de 70% de cacau, pelo menos um vez por semana obtém melhora na memória e pensamento abstrato. No rotina diária este efeito positivo no cérebro resulta em maior facilidade de fazer duas coisas ao mesmo tempo por exemplo. No estudo liderado por Georgina Crichton foram estudados mais de mil pessoas.

Mais benefícios do chocolate com mais de 70% de cacau

  • Cientistas da Universidade de Granada (Espanha), comprovaram que um alto consume está associado a níveis mais baixos de gordura total e abdominal;
  • Em uma quantidade moderada diariamente, pode diminuir significativamente o risco de doenças cardíacas e AVC;
  • O chocolate cria uma camada que protege as terminações nervosas da garganta controlando a vontade de tossir;
  • Pode ser um forte aliado contra os efeitos do sol na pele, conforme estudo publicado pelo National Institutes of Health;
  • Os antioxidantes presentes no chocolate amargo libertam o corpo de substâncias causadoras de alteracões de células que aceleram o envelhecimento;
  • Melhora o humor, já que contém vários componentes responsáveis pela liberacão de endorfina e aumento de serotonina, que agem como antidepressivos;
  • Quando aplicado na pele em forma de cosméticos é extremamente hidratante;
  • Melhora na função cognitiva;
  • Previne a pré-eclâmpsia na gravidez, Segundo estudos da universidade de Yale;
  • Contém vitaminas e minerais essenciais, além de ser rico em fibras, potássio, fósforo e selénio.
  • Reducão significativa nos níveis de cortisol, hormônio associado ao stress.